Yes, we can

BAMBUS, DAS WIRTSCHAFTLICHE UND UMWELTFREUNDLICHE BAUMATERIAL

"Der Bambusverband Brasilien und seine zahlreichen Aktivitäten"!

„Bambus Biomasse zur Energiegewinnung“

„Bambus Architektur in Kuala-Lumpur“

Bamboo fibre is stronger and cheaper than steel!

„BAMBUS UND SEINE EINMALIGEN VORTEILE“

„WISSENSCHAFTLICHE ERKENNTNISSE ÜBER BAMBUS“!

„UNSERE BAMBUS-AKTIVITÄTEN IN BRASILIEN UND WELTWEIT“!

„BAMBUS WELTWEIT ZUR KLIMAVERBESSERUNG“.

FAQ "TECHNISCHE BAMBUSFRAGEN"

 

Q: What kind of bamboo is used to build your houses and where does it come from?
A: ‘Petung’, Dendrocalamus Asper, which comes from Bali and Java. It grows in small clumps along the river valley, usually on privately owned land, so we purchase our bamboo from hundreds of individual farmers.

Q: How much bamboo is required to build an average-sized villa at Green Village?
A: Our 300sqm houses at Green Village Bali contain + 8100 running meters of bamboo structure or approximately 1200 poles. An additional + 3000 m is used in interior finishing.

Q: Does bamboo lose its form after a while?
A: Bamboo is a flexible and tensile material with the strength equivalent to steel. We account for the flexibility in the engineering process and work to ensure our bamboo maintains its integrity over time.

Q: Is it easy to have access to large quantities of bamboo?
A: Yes, bamboo is plentiful in river valleys throughout Asia, and the clumps regenerate each year. Bamboo is ready for use as a building material at age 3-5 years.

Q: You mentioned the “new treatment methods have given the bamboo a new capacity for long life.”  What kind of treatment methods are we talking about?
A: Our main treatment uses a boron solution that suppress the glucose inside the bamboo and renders it inedible for insects.

Q: Does it include the use of chemicals, or is the bamboo treated naturally?
A: The bamboo is treated naturally with boron, a chemical element found in nature – for example in the Great Salt Lake, USA. It is only slightly more toxic than table salt and is perfectly safe to use in a family home.

Q: What is the life span of bamboo?
A: Structural performance of our structures based on our engineers’ calculations is a minimum of 25 years. There are bamboo structures in South America and Europe that are over 100 years old. If the bamboo is chosen well, treated properly, designed carefully and maintained, a bamboo house can last a lifetime.

Q: How does the bamboo survive in the sun and rain?
A: Our bamboo houses are designed and built to avoid prolonged sun and rain exposure. The bamboo is also coated with a weather resistant coating.

Q: What kind of maintenance is required in the long run?
A: Properly treated and selected, mature bamboo in a well-designed structure does not require significant structural maintenance. The bamboo should only be treated once, before construction begins; additional treatments against insects are not necessary. The roof of a bamboo house must  be maintained to protect the columns from prolonged rain contact and direct sun exposure; poles that are exposed should be monitored and protected and joints reviewed every few years to confirm that they remain secure. Re-coating both structural and interior bamboo every 2-4 years will improve its appearance and longevity, and we anticipate that the quality of and technology behind coatings will advance over time, including waterproofing and UV resistance. Long-term maintenance is primarily cosmetic refinishing.

Q: Has the company done any Life Cycle Assessment/Analysis (LCA) on the bamboo products?
A: We work with testing labs in Jakarta and Singapore. Test results confirm our bamboo density and treatment absorption.

Bambus - Technologieabkommen Brasilien / Kolumbien

Delegacion.pdf

Delegación de brasileños intercambia conocimientos sobre el desarrollo de la cadena del Bambú en Colombia

1.02 M

„Unser Brasilianischer Bambusverband hat eine große internat. Erfolgsserie“!

Leistung wird Honoriert

Bambus Gesetz.
Die brasilianische Parlamentsabgeordnete, Frau Ana Espuny, an
Dr. E. Krecké:

"Auch im Namen der Bundesabgeordneten Frau Marisa Formola, unser
Dank für Ihre erbrachten Unterstützungen zur Gesetzesnovellierung Bambus!"

******************
         Lei do Bambu - Deputada Marisa Formolo 

Prezado  dr. E. Krecké,
Gostaria de informar que o Pl 290/2013, de autoria da Deputada Marisa Formolo, que dispoe sobre a politica do bambu no Estado do Rio Grande do Sul, foi aprovada na ultima sessão do dia 02/12. Sendo assim, o prazo para o Governador sancionar é na semana das festas. Sugerimos uma reunião de trabalho, dia 22/12. Para que possamos articular novos encaminhamentos. Aguardo confirmações,

Desde já, em nome da Deputada Marisa, agradecemos todo apoio de você  a realização dessa Lei.
Abraços,
Ana Espuny
Assessora Parlamentar
Dep. Marisa Formolo
PT-RS
ana.espuny@.rs.gov.br

Bambusverband Brasilien feiert sein 10-jähriges, erfolgreiches Bestehen.

Liebe Bambusfreunde.

Unser Bambusverband Brasilien feiert sein 10-jähriges, erfolgreiches Bestehen.
Mein Dank  an alle  Freunde  und  Partner:  Eure  "Pionierleistungen der ersten Stunden" sind honoriert!  

Dipl.-Ing., Phys.  Edmond D. Krecké  -  Monaco

 ******************************<wbr>**************

 Amigos do bambu,

                 Apresento abaixo um resumo da situação do bambu em Santa Catarina, como parte da comemoração dos dez anos de fundação da BambuSC, que transcorre neste próximo dia 02 de maio. Em nome da diretoria, quero agradecer por toda a colaboração recebida pela entidade ao longo destes anos, tanto de seus membros, quanto de inúmeras entidades e de pessoas simpatizantes da causa bambuzeira.

                Sabemos todos, que sem plantio não há colheita e, havendo colheita, não se deve deixar de plantar. Portanto, ainda temos muito o que plantar...não apenas em sentido figurado, para que o bambu possa ocupar um lugar de destaque na economia de SC e do Brasil. Depende de nós em que prazo vamos atingir esta ambiciosa meta.

 

Saudações bambuzeiras.

Hans

 

 Cultivo e uso do bambu aumenta em Santa Catarina

 

                Há cinquenta anos o agrônomo Fumio Honda criou o primeiro núcleo organizado de produtores de bambu em SC, na colônia japonesa de Frei Rogério, no centro do Estado. Lá foi plantada uma área de aprox. quarenta hectares, com espécies de bambu adequadas ao clima frio da serra. Os agricultores produzem alho e usam o bambu como suporte na secagem do produto. O bambu também fornece um dos alimentos mais apreciados da culinária japonesa, que são os brotos, cujo valor nutritivo é semelhante ao do palmito.

                Um outro pioneiro é o engenheiro civil Marcos Marques, que há duas décadas trocou a cidade de São Paulo por Florianópolis e que começou a plantar diversas espécies de bambu no município de Rancho Queimado, visando desenvolver técnicas de permacultura e de bioconstrução. Em 2004 ele organizou um memorável curso de introdução ao bambu em Florianópolis, ministrado pelo professor Marco Pereira, da Unesp de Bauru/SP, que resultou na criação de um grupo de estudos do bambu, hoje conhecido como BambuSC (Associação Catarinense do Bambu). 

                Na mesma época  surgiu uma nova área de cultivo na Região Norte, em torno das fábricas de móveis de São Bento do Sul. Algumas delas já produziam chapas de bambu laminado, a partir de matéria-prima importada de outros estados, e passaram a estimular o plantio local, oferecendo garantia de absorver a produção futura. Já foram plantados em torno de 150 hectares, sendo 80% no alto da serra, com espécies de clima frio, e o restante na região baixa, com espécies tropicais.

                Agora em 2015 temos a entrada de diversos novos projetos, que devem ampliar e diversificar ainda mais a oferta de bambu em SC. A fábrica de palitos de fósforo Gaboardi, situada no centro do Estado, plantou 60 hectares de bambu em São Cristóvão do Sul, para substituir ou complementar a madeira de pinus usada até agora e ainda está plantando outros 40 hectares. Na Região Sul, em Santa Rosa de Lima, a cooperativa Agreco tem oferecido três cursos de cultivo de bambu aos seus associados, em 2005, 2011 e 2015 e acaba de formalizar um núcleo de produtores de bambu. O objetivo deles é produzir conservas de brotos de bambu em suas fábricas de produtos orgânicos e lançar o produto no mercado nacional. Uma outra iniciativa está sendo planejada pela AMUREL (Associação dos Municípios da Região de Laguna), que pretende estimular o cultivo do bambu como nova opção de trabalho e renda, tanto para atividades rurais, quanto industriais de diversos municípios da região. E, no Litoral Norte do Estado, um grande projeto de urbanização terá como atrativo uma Praia de Bambu. Concebido pela equipe do arquiteto Jaime Lerner, o projeto abrange uma área de 80 hectares no centro da cidade de Itapoá e inclui um bambuzal de um quilômetro de comprimento, a ser plantado ao longo de uma avenida, na qual também serão construídas lojas e outras edificações usando bambu como substituto da madeira. Os donos do empreendimento contrataram os serviços de consultoria da BambuSC para palestras e cursos de cultivo e também pretendem capacitar agricultores da região, que vão formar mais um núcleo de produtores em nosso Estado. Assim, falta apenas a Região Oeste iniciar o cultivo e já existe um primeiro sinal de que isso poderá acontecer em breve, em função do grande número de alunos e de professores de agronomia da Universidade de Chapecó que prestigiaram o recente curso da BambuSC no município de Planalto/RS.

                Além dos projetos citados, existe ainda o interesse de algumas empresas de grande porte no uso da biomassa de bambu para a geração de energia térmica e também de energia elétrica, o que poderia significar novos plantios em larga escala. Um grande obstáculo para isso ainda é a insuficiente oferta de mudas no mercado, o que resulta em um elevado custo de implantação de novos bambuzais. Mas é possível que em breve isso seja superado, devido a novas técnicas de propagação em larga escala, que estão sendo desenvolvidas em diversos Centros Regionais de Pesquisa de Bambu, instituídos em dezembro de 2013 pelo Governo Federal. O centro regional aqui da Região Sul é formado por um grupo de seis universidades, sob a coordenação do Laboratório de Genética Vegetal da UFSC, cuja equipe de pesquisa acumula 25 anos de experiência em técnicas de micropropagação. O objetivo é popularizar o bambu, a exemplo do pinus e do eucalipto, e gerar muitos empregos no campo e também nas cidades.

Atuação da BambuSC

 

                Em grande parte estas iniciativas se beneficiam da existência da BambuSC, que é uma organização não governamental, cujo objetivo é o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do bambu em SC e no Brasil. Desde o início ela persegue algumas metas de longo prazo, como tornar SC autossuficiente na produção de matéria-prima e realizar projetos-piloto de uso do bambu na recuperação de áreas degradadas, na produção de carvão de bambu e na produção de brotos comestíveis, entre outros.

                As atividades da BambuSC se concentram na aquisição e divulgação de tecnologias específicas, nos três segmentos que compõem a cadeia produtiva: produção rural, produção industrial e prestação de serviços. Seus membros promovem cursos, reuniões periódicas e mantêm diversos canais de contato entre si e com o público em geral, como um site próprio e um grupo de discussão na Internet, além da participação em diversas redes sociais. Desde 2008 a BambuSC tem cooperado com a UFSC, no desenvolvimento de pesquisas de bambu nas áreas de engenharia civil, arquitetura, engenharia de materiais, química, agronomia, tecnologia de alimentos e botânica. O contato com o meio acadêmico está sendo ampliado agora com o já citado projeto do Centro Regional de Pesquisas de Bambu, que envolve pesquisadores da UFSC, Udesc, Unisul, Unochapecó, UFPR, UFV e até da Univ. da Costa Rica.

                A BambuSC tem sido pioneira no ensino de técnicas de cultivo e manejo de bambu, inclusive para povos indígenas e órgãos de governo, bem como na produção de material didático, tendo já lançado dois livros. Em maio de 2015 ela completa 10 anos de fundação e pode contabilizar diversos avanços no período: a formação de centenas de bambuzeiros em seus cursos, busca de novas tecnologias em outras regiões do país e do exterior, participação em projetos de pesquisa via editais e divulgação de conhecimentos através de consultorias, palestras, artigos técnicos, entrevistas, vídeos e outros meios. Vale destacar também, que a BambuSC serviu de exemplo para a formação de grupos de bambuzeiros nos dois estados vizinhos, a Agabambu - Assoc. Gaúcha do Bambu e a Assoc. Paraná Bambu.

**********************************************

Caro Hans, liderança e demais associados da Bambusc,

Parabéns pela comemoração do Décimo Aniversário da Bambusc!

Pelo brilhante relato foram certamente dez promissores anos, os mais recentes que

em parte, mesmo de longe tenho acompanhado e observado através do crescente sucesso

da implementação da Cadeia do Bambu em terras catarinenses.

Nós bambuzeiros de SP, invejamos o tenaz empenho que a liderança desta Associação se propôs a realizar.

Os frutos, hoje já colhidos, são por certo méritos desse árduo labor.

Atenciosamente,

Moisés Medeiros Pinto

Sorocaba - SP

 

Amigos do bambu,

              Apresento abaixo um resumo da situação do bambu em Santa Catarina, como parte da comemoração dos dez anos de fundação da BambuSC, que transcorre neste próximo dia 02 de maio. Em nome da diretoria, quero agradecer por toda a colaboração recebida pela entidade ao longo destes anos, tanto de seus membros, quanto de inúmeras entidades e de pessoas simpatizantes da causa bambuzeira.

                Sabemos todos, que sem plantio não há colheita e, havendo colheita, não se deve deixar de plantar. Portanto, ainda temos muito o que plantar...não apenas em sentido figurado, para que o bambu possa ocupar um lugar de destaque na economia de SC e do Brasil. Depende de nós em que prazo vamos atingir esta ambiciosa meta.

 

Saudações bambuzeiras.

Hans

 

 

Cultivo e uso do bambu aumenta em Santa Catarina

 

                Há cinquenta anos o agrônomo Fumio Honda criou o primeiro núcleo organizado de produtores de bambu em SC, na colônia japonesa de Frei Rogério, no centro do Estado. Lá foi plantada uma área de aprox. quarenta hectares, com espécies de bambu adequadas ao clima frio da serra. Os agricultores produzem alho e usam o bambu como suporte na secagem do produto. O bambu também fornece um dos alimentos mais apreciados da culinária japonesa, que são os brotos, cujo valor nutritivo é semelhante ao do palmito.

                Um outro pioneiro é o engenheiro civil Marcos Marques, que há duas décadas trocou a cidade de São Paulo por Florianópolis e que começou a plantar diversas espécies de bambu no município de Rancho Queimado, visando desenvolver técnicas de permacultura e de bioconstrução. Em 2004 ele organizou um memorável curso de introdução ao bambu em Florianópolis, ministrado pelo professor Marco Pereira, da Unesp de Bauru/SP, que resultou na criação de um grupo de estudos do bambu, hoje conhecido como BambuSC (Associação Catarinense do Bambu). 

                Na mesma época  surgiu uma nova área de cultivo na Região Norte, em torno das fábricas de móveis de São Bento do Sul. Algumas delas já produziam chapas de bambu laminado, a partir de matéria-prima importada de outros estados, e passaram a estimular o plantio local, oferecendo garantia de absorver a produção futura. Já foram plantados em torno de 150 hectares, sendo 80% no alto da serra, com espécies de clima frio, e o restante na região baixa, com espécies tropicais.

                Agora em 2015 temos a entrada de diversos novos projetos, que devem ampliar e diversificar ainda mais a oferta de bambu em SC. A fábrica de palitos de fósforo Gaboardi, situada no centro do Estado, plantou 60 hectares de bambu em São Cristóvão do Sul, para substituir ou complementar a madeira de pinus usada até agora e ainda está plantando outros 40 hectares. Na Região Sul, em Santa Rosa de Lima, a cooperativa Agreco tem oferecido três cursos de cultivo de bambu aos seus associados, em 2005, 2011 e 2015 e acaba de formalizar um núcleo de produtores de bambu. O objetivo deles é produzir conservas de brotos de bambu em suas fábricas de produtos orgânicos e lançar o produto no mercado nacional. Uma outra iniciativa está sendo planejada pela AMUREL (Associação dos Municípios da Região de Laguna), que pretende estimular o cultivo do bambu como nova opção de trabalho e renda, tanto para atividades rurais, quanto industriais de diversos municípios da região. E, no Litoral Norte do Estado, um grande projeto de urbanização terá como atrativo uma Praia de Bambu. Concebido pela equipe do arquiteto Jaime Lerner, o projeto abrange uma área de 80 hectares no centro da cidade de Itapoá e inclui um bambuzal de um quilômetro de comprimento, a ser plantado ao longo de uma avenida, na qual também serão construídas lojas e outras edificações usando bambu como substituto da madeira. Os donos do empreendimento contrataram os serviços de consultoria da BambuSC para palestras e cursos de cultivo e também pretendem capacitar agricultores da região, que vão formar mais um núcleo de produtores em nosso Estado. Assim, falta apenas a Região Oeste iniciar o cultivo e já existe um primeiro sinal de que isso poderá acontecer em breve, em função do grande número de alunos e de professores de agronomia da Universidade de Chapecó que prestigiaram o recente curso da BambuSC no município de Planalto/RS.

                Além dos projetos citados, existe ainda o interesse de algumas empresas de grande porte no uso da biomassa de bambu para a geração de energia térmica e também de energia elétrica, o que poderia significar novos plantios em larga escala. Um grande obstáculo para isso ainda é a insuficiente oferta de mudas no mercado, o que resulta em um elevado custo de implantação de novos bambuzais. Mas é possível que em breve isso seja superado, devido a novas técnicas de propagação em larga escala, que estão sendo desenvolvidas em diversos Centros Regionais de Pesquisa de Bambu, instituídos em dezembro de 2013 pelo Governo Federal. O centro regional aqui da Região Sul é formado por um grupo de seis universidades, sob a coordenação do Laboratório de Genética Vegetal da UFSC, cuja equipe de pesquisa acumula 25 anos de experiência em técnicas de micropropagação. O objetivo é popularizar o bambu, a exemplo do pinus e do eucalipto, e gerar muitos empregos no campo e também nas cidades.

Atuação da BambuSC

 

                Em grande parte estas iniciativas se beneficiam da existência da BambuSC, que é uma organização não governamental, cujo objetivo é o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do bambu em SC e no Brasil. Desde o início ela persegue algumas metas de longo prazo, como tornar SC autossuficiente na produção de matéria-prima e realizar projetos-piloto de uso do bambu na recuperação de áreas degradadas, na produção de carvão de bambu e na produção de brotos comestíveis, entre outros.

                As atividades da BambuSC se concentram na aquisição e divulgação de tecnologias específicas, nos três segmentos que compõem a cadeia produtiva: produção rural, produção industrial e prestação de serviços. Seus membros promovem cursos, reuniões periódicas e mantêm diversos canais de contato entre si e com o público em geral, como um site próprio e um grupo de discussão na Internet, além da participação em diversas redes sociais. Desde 2008 a BambuSC tem cooperado com a UFSC, no desenvolvimento de pesquisas de bambu nas áreas de engenharia civil, arquitetura, engenharia de materiais, química, agronomia, tecnologia de alimentos e botânica. O contato com o meio acadêmico está sendo ampliado agora com o já citado projeto do Centro Regional de Pesquisas de Bambu, que envolve pesquisadores da UFSC, Udesc, Unisul, Unochapecó, UFPR, UFV e até da Univ. da Costa Rica.

                A BambuSC tem sido pioneira no ensino de técnicas de cultivo e manejo de bambu, inclusive para povos indígenas e órgãos de governo, bem como na produção de material didático, tendo já lançado dois livros. Em maio de 2015 ela completa 10 anos de fundação e pode contabilizar diversos avanços no período: a formação de centenas de bambuzeiros em seus cursos, busca de novas tecnologias em outras regiões do país e do exterior, participação em projetos de pesquisa via editais e divulgação de conhecimentos através de consultorias, palestras, artigos técnicos, entrevistas, vídeos e outros meios. Vale destacar também, que a BambuSC serviu de exemplo para a formação de grupos de bambuzeiros nos dois estados vizinhos, a Agabambu - Assoc. Gaúcha do Bambu e a Assoc. Paraná Bambu.

Bambus Großprojekt

Bambus-Grossprojekt deutsch.pdf

Projekt Präsentation deutsch

4.54 M

Bambus Grossprojekt brasilianisch.pdf

Project Presentation Portuguese

4.09 M

Bambus Grossprojekt chinesisch.pdf

Project Presentation Chinese

4.91 M

„Das Bambus Großprojekt in Brasilien“ ist realisiert“!

Amigos do bambus

Vejam abaixo o link dos vídeos do curso realizado em Tubarão/SC no último dia 03/dez. As gravações foram uma iniciativa pessoal do bambuzeiro Fernando de Carvalho, a quem desejo agradecer pelo empenho. Serei muito grato também a todos que puderem me enviar por e-mail (hjkleine@floripa.com.br) as suas críticas, comentários ou complementações referentes ao conteúdo transmitidos.

Curso Cadeia Produtiva do Bambu

https://www.youtube.com/playlist?list=PLlwB7B6-0UAF32rS9SXIuIHN4vhFABbEx

„Unser Bambusverband Brasilien erlaubt keine Korruptionen. Impeachment de Dilma“!

Liebe Freunde!

Unser Bambusverband Brasilien wird über die angekündigte  nationale Demo-
Großveranstaltung gegen die gewaltige Korruption u. a.  der Petrobras,  unter
Absetzung der verantwortlichen höchsten Entscheidungsträger, „Brasilien retten“!
Nach den optimalen Erfolgen des Projektes Kuba werden wir auch mit unseren alten
Freunden dieses obige  “2. Großprojekt” erfolgreich verfolgen und siegen.

Freundliche Grüße

 Dipl.- Ing., Phys. Edmond D. Krecké  -  Monaco

 

Oi, gente!

 A nossa organiacao dos „Bambuzeiros“ vai salvar o Brasil!
 Ajudaremos e venceremos !
 Abracos a todos

 Edmond - Monaco

************************************************

REPASSE GERAL E URGENTE

Locais já estabelecidos até o momento p/ Impeachment de Dilma - concentração
Data – local :  15/03/2015 (domingo), a partir das 09:30
Indumentária – qualquer uma verde ou  amarela
Identificação: caras pintadas
estandartes: só bandeiras brasileiras



Encontre , em sua cidade, o seu local de concentração:

Americana - SP - Avenida Brasil
Aracaju - SE - Avenida Santos Dumont, na Orla de Atalaia.
Balneário Camboriú - SC - Av. Atlântica, praça Tamandaré.
Belem - PA - Praça da Republica
Belo Horizonte - MG - Praça da Liberdade
Blumenau - SC - Em frente à prefeitura
Bragança Paulista - SP - Igreja Matriz
Brasília - DF - Congresso Nacional
Campinas - SP - Avenida Francisco Glicério
Campo Grande - MS - Praça do Rádio.
Chapecó - SC - Praça Central.
Cuiabá - MT- Praça Alencastro enfrente a prefeitura.
Curitiba - PR - Centro Cívico
Curitibanos - SC em frente a matriz praça da Republica
Florianópolis - SC – Concentração na Ponte
Fortaleza - CE - Praça Portugal
Goiânia - GO - Praça Cívica
Itajaí - SC - Igreja Matriz
Jaguariúna - SP - Centro Cultural
Jaraguá do Sul - SC - Praça Angelo Piazero
João Pessoa - PB - Praça da Independência
Joinville - SC - Praça da Bandeira
Jundiaí - SP- Av nove de Julho- Pontilhão da Nove

Londrina - Av. Paraná, em frente ao Banco do Brasil
Maringá - PR - Catedral centro
Mogi das Cruzes - SP - Praça Oswaldo Cruz
Natal - RN - Em frente ao Midway
Osasco - SP - Av. Hirante Sanazar em frente a prefeitura.
Palmas - TO - Praça dos Girassóis
Paulista - PE - Praça Agamenon Magalhães
Petrolina - PE - Praça da Catedral
Pindamonhangaba - SP - Praça Monsenhor Marcondes
Piracicaba - SP - Praça José Bonifácio
Porto Alegre - RS - Parque da Redençao
Recife - PE - Avenida Boa Viagem (próximo a padaria boa viagem)
Ribeirão Pires - SP - Vila do Doce
Ribeirão Preto - SP - Praça Carlos Gomes
Rio Branco - AC - Em frente ao palácio do governo
Rio de Janeiro - RJ - Em frente a candelária
Rio Verde - GO - Igreja Matriz
Salvador - BA - Em frente ao farol.
Santa Maria - RS - Santuário da Medianeira
Santos - SP - Praça da independência
São Caetano do sul - SP - Av. Goiás em frente a câmara municipal
São Paulo - SP - Masp
Timbó - SC - Praça Central
Canoinhas - SC - Praça Osvaldo de Oliveira
Uberlândia - MG - Praça Tubal Vilella
Vitória - ES - Em frente a UFES

Lembrando, que se por algum motivo, seja sério, ou seja só preguiça, você não puder sair de casa para ir até os locais combinados, fique pelo menos sentado na calçada em frente à sua casa, pegue uma cadeira de praia e fique conversando com seus vizinhos sobre o gramado, mas vá pra rua de verde e amarelo! Se tiver uma bandeira brasileira, será o ideal.

Todos juntos somos um só poder grandioso.
Vamos tirar esta irresponsável do governo.
Unidos venceremos sempre! Bora ajudar!

Acabou de sair no New York Times, o caso Petrobrás como sendo  o maior caso de corrupção em um país democrático na história do mundo moderno. As somas ultrapassam o PIB da maioria dos países e em termos de valores o mensalão é apenas centavos, em uma singela comparação, daria para se construir um milhão de aeroportos.

Será um marco na história mundial a derrubada dessa corja.

Divulguem nos seus grupos.

Revista VEJA

Vai ser publicado na VEJA desse final de semana a riqueza do LULINHA. Sócio majoritário dos Frigoríficos JBS (Friboi) , Sócio majoritário da Telefonia OI. Proprietário de 6 fazendas que somadas dão um total de 1.400.000 hectares. Criador de mais de 500.000 cabeças de gado no Estado do Pará. Hoje seu meio de transporte é um Jato Executivo avaliado em 50 milhões de dólares. Para quem era funcionário público cuidador de zoológico.

Essa é parte da distribuição de renda do ex-presidente Lula que Dilma defendeu para ele. Será o Lulinha o “laranja” do pai?

12 senadores, 49 deputados e 03 governadores, todos do PT, já foram INCRIMINADOS na delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Eduardo Costa, preso e apavorado com o risco de pegar mais de 40 anos de cadeia.

Este governo por meio de seus políticos roubavam mais de 3% de TODOS os contratos sob sua responsabilidade, desde 2003 até os dias de hoje! Só a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, tem preço final de R$ 40 BILHÕES, implicando numa PROPINA de R$ 1 BILHÃO E 200 MILHÕES. O MENSALÃO será considerado apenas um troco, comparado ao ROMBO dentro da Petrobrás!

A VERDADE está chegando na HORA CERTA! PT em pânico. Lula convoca reunião de emergência em SP. Rui Falcão está desesperado. Reunião no Planalto.

"O POVO ESTÁ DORMINDO. NÓS ESTAMOS ACORDADOS. NÓS COMPANHEIROS DA INTERNET SOMOS UNIDOS, PARA FAZER O QUE NUNCA ANTES FOI FEITO NESSE PAÍS: "OU A CORRUPÇÃO PARA, OU NÓS PARAMOS O BRASIL!"

SEJA PATRIOTA: Passe adiante... Se cada pessoa passar para 10 amigos de setores diferentes no 6 repasse atingimos 5 milhões de usuários. Vamos tirar 5 minutos para mudar o Brasil, faça sua parte!

REPASSE GERAL E URGENTE

„Unser Bambus Großprojekt“ ist in Brasilien gesetzlich anerkannt!

Justificativa PL 290 2013 Dep Marisa Formolo.pdf

40 K

Visita ao Bambuparque/Yves Crouzet-Portugal

Amigo bambuzeiros
Estou retornando de uma viagem a Portugal e gostaria de compartilhar com os membros do Grupo Agabambu e BambuSC a satisfação que tive em ser recebido por um Bambuzeiro com "B"maíúsculo em minha estada em Portugal nas instalações do Bambuparque pelo amigo Yves Crouzet.
O Yves é um colecionador, produtor e distribuidor de bambus para diversos fins na Europa, além de autor de diversos livros sobre bambus. Sua produção está localizada nas proximidades de Odemira no Alentejo.
Tivemos a oportunidade de conhecer sua coleção de cerca 300 espécies de bambus e compartilhar seu entusiasmo e conhecimento em diversos estágios da produção de mudas  plantios e as diversas atividades do dia-a-dia nos diverso viveiros distribuidos nos 100 hectares de sua propriedade.
A visita a este professor da arte do bambu, incrementou meu entusiasmo e me proporcionou inúmeras fotos e comparativos de situações, identificações de algumas espécies que tenho em minha coleção, dentre outros debates sobre a produção de mudas que era o principal foco de minha visita.
Certamente que esta inusitada experiencia será positiva em futuras situações que venha a enfrentar em minha produção e que também possa a ser útil nas discussões deste grupo.  
Segue uma foto da vista do local obtida no cair da tarde, com os bambuzais entre árvores nativas, oliveiras e corticeiras.
Neste local foi construído um salão de bambu(muito legal!!!) pela amiga Celina. As fotos serão remetidas a ela que postará para o Grupo posteriormente.
Um abraço,
Ene
Agrobambu CF&T
Moderador/Grupo Agabambu

Ene

Agrobambu CF&T

Visite nosso blog em:  agrobambu.blogspot.com

e nosso website em:  www.bamboofount.com.br

Bom Dia Amazônia: chineses estão no Acre para cooperação científica

Caros Tombolato, Dra. Patricira e demais colegas,

Encaminho notícia veiculada na mídia acreana sobre a visita de comitiva chinesa da YAF - Yunnan Academy of Forestry, baseada em Kumming, sudoeste do país, que ocorreu nos dias 07 e 08 de outubro, em Rio Branco, Acre.

Estiveram presentes 05 chineses professores  doutores desta academia de ciências, entre eles seu Presidente. Dr. Yang Yuming.

redeglobo.globo.com/redeamazonica/tv-acre/noticia/2014/10/bom-dia-amazonia-chineses-estao-no-acre-para-cooperacao-cientifica.html

Certamente, deste evento poderão ocorrer parcerias com a Embrapa - Acre, liderada pela Dr. Patrícia Maria Drumond, entre outras entidades governamentais do estado, com esta academia científica da China, não só sobre bambus, mas também com outros tópicos de pesquisas na Amazônia em âmbito florestal.

Tal acontecimento é mérito do pesquisador do IAC,  Instituto Agronômico - C ampinas:
Dr. Antonio Fernando Tombolato, que não mediu esforços para que esta visita pudesse acontecer.

Além das visitas aos centros de pesquisa na capital Rio Branco, a comitiva esteve também em Porto Acre, conhecendo os  tabocais de bambus do gênero Guadua e observando bambus herbáceos ocorrentes no sub-bosque local, entre outra plantas nativas.

Moisés Medeiros Pinto
Pesquisador Autônomo em Bambus
Sorocaba -SP

Brasilien ist ein weiterer großer, umweltpolitischer Schritt nach vorne gelungen!

Liebe Bambusfreunde!

Diese wertvolle Arbeit von Herrn Dr. G. Korte – Brasilien ist ein weiterer großer, umweltpolitischer Schritt nach vorne gelungen!

Krecké - Monaco

Pesquisadores concluem sequenciamento completo do genoma do eucalipto

Pesquisadores concluem sequenciamento completo do-genoma-do-eucalipto - Painel Florestal.pdf

Cientistas brasileiros lideraram o trabalho iniciado em 2008 pela rede internacional EUCAGEN (Eucalyptus Genome Network)

53 K

„Die Bambusaktivitäten werden jetzt auch in Rio Grande do Sul / Brasilien, intensiviert und finanziert“!

No Rio Grande do Sul financiamento para bambu.pdf

No Rio Grande do Sul, financiamento para bambu passa a ser liberado pelo Pronaf

103 K

Plantio de bambu é ideal para terras degradadas do Vale do Paraíba

É o que defende o engenheiro agrônomo e pesquisador Antônio Salgado, que
estuda a cultura e outras plantas fibrosas há mais de 50 anos 

A paisagem desértica do Vale do Paraíba pode ser modificada rapidamente com o plantio de bambu. Pelo menos é o que defende o engenheiro agrônomo e mestre Antônio Salgado, que estuda o bambu e outras plantas fibrosas celulósicas há mais de 50 anos. Para o pesquisador, trata-se de uma solução rápida, de baixo custo e lucrativa para os produtores rurais, pelo fato de a demanda por bambu está aumentando a cada ano.
O bambu tem centenas de utilidades econômicas. Pode ser usado para a fabricação de celulose e papel, além de sacarias industriais, que no Brasil vem se destacando nas embalagens de cimento. Há poucas semanas, Antônio Salgado esteve realizando uma série de consultorias na região Nordeste. Ele informou que há fazendas nos Estados da Paraíba e Pernambuco com o plantio de bambu voltado para a produção de papel e celulose. Outra parte da plantação é utilizada para embalagens. Já no Maranhão, o plantio é voltado para biomassa nas indústrias, inclusive na fábrica da Ambev. No Piauí, a biomassa é usada nas indústrias de cerâmicas.
Grandes grupos empresariais brasileiros já desenvolvem plantios de destaque. De acordo com Antônio Salgado, o grupo João Santos tem mais de 35 mil hectares de bambu – tudo voltado para a fabricação de sacos de cimento. “O bambu serve para muitas coisas, inclusive para a construção de casas, fabricação de
móveis, artesanato, sacaria, varas de pescar, tecidos para roupas e até para a alimentação, por meio do
broto”, detalhou Antônio Salgado...
www.painelflorestal.com.br/noticias/voce-e-a-floresta/plantio-de-bambu-e-ideal-para-terras-degradadas-do-vale-do-paraiba

Situação atual da filiação do Brasil à rede INBAR

Amigos da Bambu!

                Apresento abaixo a resposta do Ministério das Relações Exteriores ao meu pedido de informações, referente à situação do pedido de filiação do Brasil à rede INBAR. Trata-se de uma antiga aspiração do setor bambuzeiro e que agora tem chances concretas de ser realizada. Porém, a resposta indica claramente, que ainda será necessário vencer três grandes obstáculos:

1.       A Casa Civil deverá ser convencida a dar alguma prioridade para o envio da matéria ao Congresso, para que ela não seja atropelada por assuntos mais urgentes.

2.       A Câmara deverá ser monitorada, pelo mesmo motivo.

3.       O mesmo vale para o Senado.

                Vai depender então de nossa capacidade de pressionar as três instâncias, senão vamos ter de esperar três eternidades. O processo já deve estar tramitando em torno de 16 meses, desde o final de 2012, segundo informações extraoficiais, e até agora obteve apenas as aprovações dos Ministérios da Agricultura, da Ciência e Tecnologia e do Exterior. Esta segunda etapa de tramitação no Congresso promete ser um duro teste de nossa paciência, considerando que estamos em ano eleitoral, com reduzidíssimas atividades nas duas Casas. Basta lembrar, que a aprovação da Lei Federal 12.484, de incentivo ao cultivo do bambu, demorou quatro longos anos e até hoje, quase três anos depois, ainda não está regulamentada.

                Mas, não é hora de desanimar, pelo contrário! Devemos canalizar nossos esforços através da única entidade representativa que temos no nível nacional, que é a ABPB - Associação Brasileira dos Produtores de Bambu, procurando agregar a ela o apoio de outras entidades de prestígio. Peço a todos sugestões de nomes de entidades ou de pessoas que possam somar esforços conosco na conquista desta tão antiga meta.

Abraços a todos.

Hans

Observação: uma coisa que me surpreendeu na resposta, foi a informação de que a INBAR não é um órgão filiado à ONU, como sempre ouvi falar. Agora verifiquei no site www.inbar.int, que atualmente a entidade conta com 39 países membros e que de fato a ONU não é sequer mencionada.

„Projeto aprovado pelo CNPq” !

rede bambu centro oeste.pdf

„Projeto aprovado pelo CNPq” !

586 K

Studienreise des Bambusverbandes Brasilien nach China

Date/Time
Date(s) - 01/06/2014 - 11/06/2014

Location
Zhejiang and Yunnan Provinces

The objective of the annual bamboo study tours is to share the experience of Chinese bamboo development and to promote bamboo development in other countries.  The tours commenced in 2005 and have run annually since 2007.   They are very popular and are targeted to those wishing to gain a better understanding of the potential and practice that bamboo-based development has to offer, based on the Chinese experience.  To learn more, read the reports of 2005, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011, 2012 and 2013 bamboo tours and see some photos of the 13 tours.

The 2014 Bamboo Tour will visit 2014 Qingdao International Horticultural Exhibition, Zhejiang, Yunnan provinces. The cost in China is 2400$/person covering accommodation, food, transportation and entrance tickets in China during the tour. Participants should cover their international flights and the domestic flights to Qingdao of Shandong province and from Kunming of Yunnan province as well as travel insurance and their visa fees.

In Qingdao City of Shandong Province, we will visit the following:

In Zhejiang Province the tour will visit the following:

  • Leading bamboo-flooring manufacturers such as DASSO. DASSO produced 230,000m2 bamboo fireproof ceiling in the Madrid international airport, which won the 2006 Sterling prize. DASSO is also producing the bamboo interior veneer for 70,000 BMW cars per year, 45m long bamboo wind turbine blades, and strand woven bamboo lumber and flooring as well bamboo furniture.
  • Companies producing bamboo concrete form and fiberboard, bamboo curtains and mats, bamboo extract such as flavonoid, bamboo beer, bamboo furniture, and bamboo processing machines.
  • Companies specializing in bamboo shoot processing.
  • Wenzhao (the biggest bamboo charcoal company producing charcoal and vinegar).
  • China Bamboo Charcoal Museum, the only bamboo charcoal museum in the world.
  • Community-level primitive processing workshops (bamboo strips).
  • Anji bamboo product markets (hundreds bamboo products including bamboo clothes).
  • The biggest bamboo botanic garden in the world, Anji Bamboo Garden, which has more than 300 bamboo species plus four giant pandas. The garden is home to the Chinese Bamboo Museum, a high-yield bamboo plantation, a bamboo film production base (eg Crouching Tiger, Hidden Dragon) eco-tourism sites, and an ornamental bamboo nursery.
  • Anji Soil and Water Conservation Station under Ministry of Water Resource of China
  • Research institutions like Zhejiang Agro-Forestry University (bamboo products showroom, bamboo charcoal, bamboo tissue culture lab).
  • Local politicians and experts to discuss bamboo sector policies and technology, encouraging enterprisers to invest in other bamboo production countries such as Africa, Asia and America.

In Yunnan Province, we will visit the following:

  • Bamboo museum
  • Tropical Bamboo Garden with over 300 species including the biggest bamboo species
  • Tropical Bamboo nursery and giant bamboo plantation
  • Bamboo tissue culture lab
  • Sightseeing in  Kunming city

After the tour, some participants will take part in three-days training course on bamboo cultivation and propagation in Kunming by 11-14 June.

Tentative program of the 2014 June INBAR Bamboo Tour Program will be available soon and application form is downloadable.

www.inbar.int/events/2014-inbar-bamboo-tour/

Holzkohle aus Bambus in Indien / Carvao de Bambu na India

Bamboo-based Charcoal Production

from: NMBA National Mission on Bamboo Applications

Charcoal made from bamboo finds ready uses and markets. It has been made for thousands of years in pits and even shallow depressions. Specially designed brick kilns, developed and tested by the National Mission on Bamboo Applications (NMBA), provide an opportunity to make high-quality charcoal from bamboo in an efficient, safe and reliable manner.
Charcoal is a product with many uses, in industry and in the domestic sector.
It is utilised:
• at the village level, by blacksmiths and to meet household energy requirements;
• in the domestic sector, as fuel for cooking and heating;
• in the service sector, by dhobis and in dhabas;
• in the industrial sector, at different scales of activity, in furnaces, for forging and metal-working;
• as raw material for further processing into activated carbon and other industrial products.

The price of charcoal, depending on its quality and on local market conditions, ranges from Rs 5 to Rs 14 per kilogram.
Charcoal is a light, black, porous material resembling coal, with about 85 per cent carbon. It is produced by heating biomass under a system of controlled supply of air. This results in the removal of water and other volatile constituents. Wood, sugarcane waste, rice husk and bamboo are commonly used for making charcoal.
Charcoal made from bamboo has good properties, similar to wood and other ligno-cellulosic material in terms of high carbon content and calorific value.
Charcoal is produced by heating biomass with a controlled supply of air. This can be done by the conventional pit method, in brick or metal kilns, or in drums. Heating can be direct by igniting the biomass or it can be indirect.

www.bambootech.org

„Unser Bambus-Großprojekt in Brasilien hat nicht immer nur positive Resultate für unsere zahlreichen Mitglieder“!

(E.D.Krecké – Ehrenpräsident)

Die Bambussägen (Parasiten)

Die Bambussaegen - Os Serradores de Bambu.pdf

669 K

Weihnachtsgrüße aus Brasilien der vielen Bambusverbandsmitglieder

Caro amigo Ghavami!

Muito agradecido pelos Seus


VOTOS DE UM FELIZ NATAL!

 

De Monaco desejamos a voce e Seus familiares tambem um 

PROSPERO  ANO  NOVO  2014 !

Dipl.- Ing., Phys. Edmond D. Krecké  -  Monaco

(“ex-Candango” de Brasilia de 1956 - 1962)

www.isomax-terrasol.eu
www.aieg-international.com
www.terra-sol-international.org

CHRISTMAS IS AN OLD TRADTION FROM PERSIA

Article-christmas-is-an-old-tradtion-from-persia-a.pdf

CHRISTMAS IS AN OLD TRADTION FROM PERSIA

418 K

„Ein Leben mit und für den Bambus von Professor Walter Liese – Hamburg“!

A PERSONAL REFLECTION ON 60 YEARS OF BAMBOO PASSION AND WORK pdf 15MB

Florescimento em Bambusa vulgaris

Prezados colegas,
 
Em minha recente viagem à China, juntamente com  o pesquisador Thiago Greco, presenciamos
o florescimento de uma touceira de provável Bambusa vulgaris var. vulgaris,
em Ghangzhou, na província de Guandong, Sul do país.
Embora seja um fato isolado, se comprovado, retira o mito que esta espécie não floresce.
Segue fotos (créditos de Thiago Greco) em anexo do bambu em questão para conhecimento de todos.
Infelizmente não pudemos chegar mais próximo da touceira, e assim comprovarmos a espécie em
questão, por ser uma área restrita de um parque ecológico.
 
Atenciosamente,
Moisés Medeiros Pinto
Sorocaba - SP

Simon Velez - Bamboo Architect

No início do século passado, quando se viajava apenas por água ou terra, o visionário Alberto Santos Dumont estava prestes à fazer uma das maiores descobertas da humanidade. Depois de várias tentativas, o inventor brasileiro desenvolveu em 1906 o primeiro avião  do mundo: o biplano 14bis. Parte da estrutura desse invento era feita de bambu. E é com esse exemplo que o arquiteto colombiano Simón Velez explica uma das principais vantagens do material: a leveza.

O Arquiteto Sustentável "nascido em uma selva de bambu", como ele mesmo diz, compartilhava do mesmo desprezo dos seus conterrâneos pelo material, que era considerado "a madeira dos pobres".

A espécie de bambu usada em suas construções é a Guadua angustifolia e cresce em abundância na região andina da Colômbia, principalmente no Triângulo do Café. Era usada desde os tempos pré-colombianos nas casas, mas até então não conseguia substituir materiais como ladrilho, aço e cimento. Seu problema de junção e sua resistência sempre foram motivos para dúvida, até que em 1999 foi colocada à prova no terremoto que atingiu o eixo cafeeiro, onde as casas com estrutura de bambu sobreviveram enquanto as construções de alvenaria foram pro chão.

Para Simón o bambu é um material com estrutura mais inteligente que a da árvore, pois não concentra sua estrutura em seu eixo, já que é um material oco. Segundo o arquiteto, o bambu não leva vantagem apenas sobre a madeira, mas também sobre o aço na relação peso/resistência.

Recentemente, o arquiteto vem utilizando a técnica do bambu em projetos de casas e móveis no Sul da Bahia. E continua difundindo as vantagens do material e defendendo seu uso. Para construir uma casa grande, seria necessário derrubar uma pequena floresta com 130 árvores que demoraram mais de 30 anos para se desenvolver. Com o bambu a história é diferente: como a planta brota novamente após o corte, a medida de que a casa vai sendo construída uma nova planta está nascendo. O bambu cresce em média 23cm por dia. Ao final da construção se tem uma nova árvore com 20 metros cada.

No Brasil o interesse por esse material leve e resistente cresce cada vez mais. Um dos pioneiros no uso do bambu no país, foi o arquiteto Claudio Bernardes, que também inovou ao usar eucalipto tratado em suas construções. Dos 42 tipos de bambu do mundo, 38 são espécies brasileiras, mesmo algumas delas sendo de pequeno porte e crescendo no meio da floresta, ainda sim é uma alternativa sustentável para a arquitetura. O bambu é um material econômico, tem emissão zero de carbono e é muito competitivo em relação às madeiras, pois dá colheita o ano todo e jamais se esgota.

O bambu é considerado por muitos a matéria-prima deste milênio e é sustentável porque ao invés de desmatar, pode-se plantar e colher bambu.

Confira a entrevista do grande arquiteto Simón Veles e nossa galeria com algumas de suas obras.
arquiteturasustentavel.org/a-arquitetura-de-bambu-do-arquiteto-colombiano-simon-velez-2/

Heute, am 18.09.2013 ist der Internationale Bambustag. Wir wollen dieses unglaubliche, umweltfreundliche Bambus-Material zur „Lebenserneuerung“ unterstützen!

Hoje é o dia internacional do bambu!!!! Vamos aproveitar essa data para multiplicar cada vez mais o conhecimento sobre este incrível material. Bambu é sustentabilidade, renovação e vida. Happy bamboo day.
worldbambooday.org

 
Reportagens e documentários nacionais sobre o Bambu - http://projetobambu.com/blogcafe/?page_id=100
 
Reportagens e documentários internacionais sobre o Bambu - http://projetobambu.com/blogcafe/?page_id=102
 
Passo a passo para produtos em bambu - http://projetobambu.com/blogcafe/?page_id=139
 
Vídeos sobre a industrialização do bambu - http://projetobambu.com/blogcafe/?page_id=87
 
Vídeos sobre a produção de madeira de bambu - http://projetobambu.com/blogcafe/?page_id=107
 
Fotos relacionadas à cultura do bambu na China - http://projetobambu.com/fotos/china-2011/
 
Fotos relacionadas à cultura do bambu na Colômbia - http://projetobambu.com/fotos/colombia-2010/
 
Fotos relacionadas ao uso do bambu na fabricação de esculturas e obras de arte - http://projetobambu.com/fotos/arte/

Der Präsidenten des ABB – Brasilianischer Bambus Verband, Herrn Hans Kleine:

„Die gewaltige Wirtschaftsentwicklung unseres Staates  -  beim Bau neuer eleganter Wohnkomplexe  -  wird unterstützt durch den ABB -  beim Planen der großen Grünanlagen mit den diversen Bambusarten“!

Itapoá planeja o seu futuro com bambu

Amigos da Bambu,
 
Existe uma região em nosso Estado de SC que tem fama por ter um clima quente e chuvoso, condição ideal para o cultivo de bambu. Trata-se do extremo norte de nosso Litoral, formado pelos municípios de Garuva, Itapoá, São Francisco do Sul, Araquari e Joinville, todos situados ao redor da Baía de Babitonga. No município de Itapoá, que ainda há poucos anos vivia quase exclusivamente do turismo de sua praia e que agora conta com um moderno porto de importação e exportação de contêineres, a urbanização cresce de forma acelerada e já se fala na instalação de um segundo porto bem maior nos próximos anos. Em meio à cidade existe uma enorme área verde, equivalente a mais de 120 campos de futebol, que só agora deve ser integrada à área urbana e os seus proprietários contrataram ninguém menos do que o conhecido arquiteto e ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, para planejar o que virá a ser o bairro mais moderno de Itapoá.

O projeto é grandioso e conta com pelo menos dois grandes diferenciais: a taxa de ocupação do terreno será de apenas 30% e a faixa à beira-mar será transformada em uma "praia de bambu", com o plantio de touceiras de espécies adequadas e a construção de edificações de bambu. A BambuSC foi escolhida para prestar consultoria ao projeto durante os próximos anos, inicialmente na forma de cursos e palestras. Vejam mais detalhes nos links abaixo.

http://www.adeanewsletter.com/grupo-de-itapoa-estuda-o-bambu-como-alternativa-de-geracao-de-renda-para-o-municipio/#more-2257

http://www.adeanewsletter.com/curso-de-plantio-e-manejo-de-bambu-em-itapoa/#more-2368

Além do clima vantajoso para o cultivo do bambu, a região tem localização privilegiada, próxima de duas grandes cidades (Joinville e Curitiba) e de um grande polo moveleiro, que poderá absorver uma parte da futura produção.

Abraços.

Hans

Der Präsident des „ABB – brasilianischer Bambusverband“, Herr Dr. Hans Kleine, hat eine weitere ausführliche Studienreise nach China geplant.“

Amigos do bambu,

Vejam no endereço http://www.inbar.int/events/2013-inbar-bamboo-tour/ detalhes sobre a visita guiada, que é oferecida aos interessados de forma não gratuita.

Abraços.

Hans

Bambus Brasilien

bamboofount com br 03.pdf

2.85 M

Ein interessantes Kanu aus Bambus!

tomahawkku.wordpress.pdf

http://tomahawkku.wordpress.com/category/bamboo/bamboo-canoe/

739 K

Die wertvollen Initiativen unseres Bambusverbandes in Brasilien - ABB - unterstützen auch die Ureinwohner mit Rat und Taten“!

Índios de Imaruí recebem primeiro treinamento em cultivo e manejo de bambu

Pela primeira vez na Região Sul do Brasil, um grupo de indígenas recebeu um curso de treinamento em cultivo e manejo de bambu. Foi uma antiga demanda dos índios da aldeia "Tekoa marangatu", situada no município de Imaruí/SC, que motivou a eng. agrônoma Flávia Lapa, da Epagri, a contratar a BambuSC para esta inédita atividade. O curso aconteceu no dia 24 de outubro, sendo ministrado pelo eng. florestal Thiago Greco, especialista e autor de livro sobre o tema. O presidente da BambuSC participou do evento na qualidade de assistente e de aprendiz.
O bambu é usado tradicionalmente pelos índios na confecção de cestas, balaios e diversos utensílios e objetos do artesanato. São espécies de bambu nativas da Mata Atlântica, do gênero Merostachys, cujas características são ideais para esta atividade. Antigamente havia muita fartura e quando se esgotavam os bambuzais de uma região os índios tinham a opção de se mudar para outra região de mata virgem. Por isso os povos indígenas não desenvolveram o hábito de cultivar e manejar o bambu. Além disso, as espécies do gênero Merostachys apresentam o fenômeno cíclico do florescimento gregário, que resulta na morte de todas as moitas de uma determinada espécie e o seu ressurgimento a partir da germinação das sementes produzidas na floração. Assim, de tempos em tempos há uma escassez total de varas de bambu daquela espécie e os índios são obrigados a usar outras espécies, em geral menos adequadas ao uso pretendido.
O curso foi iniciado em uma das salas de aula da escola da aldeia, com uma apresentação de fotos diversas sobre o uso do bambu ao redor do mundo. Em paralelo houve uma exposição de livros e objetos de bambu. Na conversa foi possível conhecer melhor as necessidades atuais dos índios e obter informações surpreendentes. A espécie nativa mais utilizada em Imaruí foi identificada pelo eng. Thiago como sendo a Merostachys speciosa, que por sinal floresceu no ano passado. Eles afirmaram que o ciclo se repete a cada 30 anos.
Na falta de bambu nativo, os índios passaram a usar outras moitas de bambu disponíveis na sua reserva, identificadas como sendo exóticas e da espécie Bambusa tuldoides. Ela é boa para cestos e balaios maiores, mas não serve para cestos pequenos, por falta de flexibilidade, apesar de usarem apenas varas com um ou dois anos. O corte raso das varas jovens causou o enfraquecimento das moitas e deixou eles sem nenhuma opção de matéria-prima. Assim, os participantes ficaram felizes em aprender na prática como manejar um bambuzal de modo sustentável. Também aprenderam a transplantar algumas mudas de B. tuldoides, com rizoma, para um local mais ensolarado.
Depois do almoço, um grupo de umas vinte pessoas, em sua maioria mulheres, se animou a uma boa caminhada na mata nativa, apesar da chuva fraca, para mostrar ao eng. Thiago diversas moitas secas de M. speciosa e colher algumas plântulas que já haviam germinado. No retorno os índios aprenderam a plantar as mudas em embalagens vazias e guardá-las debaixo de uma árvore, na falta de um viveiro, onde poderão se desenvolver sob os cuidados dos índios. Dentro de mais alguns meses será realizada a segunda parte do curso, quando será avaliado o que eles aprenderam e se as mudas plantadas vingaram.
Antes do encerramento os índios foram mais uma vez reunidos na escola para um resumo dos principais assuntos tratados e para manifestar a sua avaliação sobre o curso. Todos demonstraram muita satisfação e gratidão pela oportunidade de receber novos conhecimentos e por poder contribuir com informações importantes para os estudiosos dos bambus nativos. Eles foram presenteados com três mudas de Merostachys speciosa e três de Bambusa oldhamii, trazidas de Florianópolis e também receberam um serrote próprio para cortar varas de bambu.Para a BambuSC este foi um curso totalmente fora do habitual e poderá ser o ponto de partida para um projeto mais amplo, de ajuda a outras aldeias indígenas, que certamente sofrem de problemas semelhantes.

DAS BILATERALE ABKOMMEN „BAMBUS GROSSPROJEKT CHINA – BRASILIEN“ IST AUF HÖCHSTER POLITISCHER EBENE IN BEIJING ABGESEGNET UND BESTÄTIGT WORDEN!

Das  6- seitige bilaterale Abkommen „Bambus Großprojekt CHINA –BRASILIEN“ wurde am 12.04.2011 in Beijing durch die brasilianische Präsidentin, Frau Dilma ROUSSEFF und die chinesischen Minister in Anwesenheit des Ministerpräsidenten, feierlich ratifiziert.

Somit kann man wieder sagen: 
 „Dieses umwelt- und volkswirtschaftliche Großprojekt ist ein großer Schritt einer weiteren visionären und positiven Pionierleistung. 
Weitere Schritte werden folgen.

BAMBUS - Notícias da Missão à China

„Die brasilianischen Bambusexperten sammeln in China weitere große Erfahrungen gemäß der früheren  Bambus – Studienreisen der Herren Dr. J. Gottlieb - Präsident des TSW,   Herrn Dipl.- Ing,. Phys. Edmond D. Krecké - Ehrenpräsident des TSW und des AIEG Berlin/Beijing,   Herr Li Quichang - Präsident des AIEG Berlin/Beijing,   sowie dem Präsidenten Herr V. Tschapke  und weiteren Vorstandsmitgliedern der Preußischen Gesellschaft Berlin“!

Betreff: Bambus - Notícias da Missão à China

Amigos da BambuSC,

Neste final de semana estamos completando a primeira semana do nosso
extenso programa de visitas técnicas. Vimos até agora:
terça (30) - Pequim - sede do INBAR (International Network for Bamboo
and Rattan) e o ICBR (centro de pesquisas do governo chinês que atende
as demandas do INBAR).
quarta (31) - Hangzhou - fábrica de laminados de bambu DASSO (maior
exportadora) e Anhui - fábrica de laminados de alta densidade HOMEYOUN.
quinta (01) - Anji - showroom de produtos laminados, parque temático
com coleção de 400 espécies de bambus alastrantes e museu do bambu
sexta (02) - Fuyang - laboratórios do instituto de pesquisa florestal
de clima temperado e centro de pesquisa e desenvolvimento de bambu
sábado (03) - Guangzhou - bambuzal de B. textilis, museu do bambu,
fábrica de incensos, bambuzal de A. amabilis
domingo (04) - dia livre
O convívio diário com dez bambuzeiros brasileiros está sendo uma
experiência muito enriquecedora e estou aproveitando bastante. Hoje
não posso entrar em mais detalhes. Talvez eu consiga enviar outro
resumo, antes do final da viagem.

Abraços.
HJKleine

Neujahrsgrüße 2013 von JH Kleine

Olá dr. Krecké,

Agradeço e retribuo os seus votos de um Feliz Ano Novo. O ano de 2012 foi bom para a BambuSC e espero que 2013 seja ainda melhor, agora que o Acordo Brasil - China está começando a dar os seus primeiros frutos. Envio em anexo alguns projetos para os quais estamos buscando patrocínio ou parceria, para a sua análise. Talvez o senhor possa nos ajudar a encontrar alguém interessado.

Um abraço.

HJKleine

Bambusgalerie

 
 

Bamboo Book from India

Video der brasilianischen Regierung über Bambus in Brasilien

Die Regierung von Brasilien unterstützt finanziell die China-Reise der Bambus-Verbandsmitglieder

Curso de cultivo e manejo de bambu para agronomos.pdf

19.05 K

Relatorio sobre a missao a China.pdf

113 K

Finanzierung der China-Reise der Bambus-Verbandsmitglieder.pdf

27 K

Beiträge 2013

PESTIZIDE UND UNGEZIEFER IN DER LANDWIRTSCHAFT 01.pdf

44 K

Das Wundergras Phyllostcahys aurea Goldbambus.pdf

Muito obrigado amigo Luiz, - Edmond Krecké - Monaco

65 K

Dia Mundial do Bambu (World Bamboo Day) 18. September 2012

http://worldbambooday.org/featured/where-to-go-to-celebrate-world-bamboo-day/

Hoje está sendo comemorado em diversos recantos do mundo o Dia Mundial do Bambu (World Bamboo Day), conforme relato do site acima mencionado.

Embora não seja de meu conhecimento que este evento esteja sendo oficialmente comemorado no Brasil, não poderíamos deixar passar em branco tão importante data principalmente pelas condições climáticas e de solos extremamente favoráveis ao desenvolvimento da cultura do bambu em nosso país.

Temos também a maior diversidade de bambus nativos das Américas, estimada atualmente em mais de 250 espécies já catalogadas, além de prováveis quase uma centena de espécies exóticas já prontas para disseminação.

Aliado a isso somos um país de dimensões continentais com cerca 8.513.403,5 Km2, conforme dados atualizados. Para se ter uma ideia dessa extensão e da grandeza de nosso país basta dizer que de seus pontos extremos Norte (Monte Caburaí) – Sul (Arroio Chuí) temos 4.395 Km e dos pontos extremos Leste (Ponta do Seixas) – Oeste (Serra da Contamana) perfazem 4.320 Km. Só de fronteiras terrestres com os demais países da América do Sul cerca de 15.735 Km, mais a litorânea com cerca de 7.367Km, num total perimetral de cerca de 23.102 kilômetros. De maneira utópica, se pudéssemos cultivar bambus uma estreita faixa (uma linha quase que invisível na imensidão do território nacional) de apenas 10 metros de largura, que creio ser uma boa estimativa para o cultivo de bambus de porte, nos perímetros de seus pontos extremos mais suas fronteiras terrestres e litorâneas, num total aproximado

de 31.817Km, teríamos cerca de 318 Km2 de áreas agrícolas de bambuzais ou 31.800ha. Levando em conta que para cada hectare, poderiam ser produzidas 35 toneladas anuais de biomassa, seria possível ter-se mais de 1.100.000 ton. anualmente para utilização aos mais diversos fins. Isto em menos de apenas 0,00004 % de seu território total!

Além disso, já temos expressivo e farto pessoal humano grandemente interessado em toda a cadeia produtiva do bambu, desde o seu cultivo até a sua utilização final, e certamente com grande demanda de um mercado consumidor interno invejável de quase 200 milhões de brasileiros. Falta apenas canalizarmos nossos esforços para que a cultura do bambu no Brasil se torne uma realidade de fato.

Por tudo isto, esperamos que no próximo ano já possamos estar entre os expoentes mundiais que estarão comemorando o Dia Mundial do Bambu – 2013 com galhardia e orgulho nacional!

Moisés Medeiros Pinto
Pesquisador e Consultor Autônomo em Bambus

Sorocaba - SP

"Bambusplatz Garten"

Agrobambu Bamboofount.pdf

1.84 M

Presse Bambus

Wo-Baeume-in-den-Himmel-wachsen.pdf

Asian Bamboo wächst so schnell und mit so hoher Marge, dass man sich fragt: Wo bleibt der Wettbewerb?

56 K

Bambu Fabricacao de Celulose e Papel.pdf

Bambu – Matéria-Prima para a Fabricação de Celulose e Papel

156 K

Korrespondenz Bambusprojekt 2012

Bambus-Projekt Stand Feb2012.pdf

Korrespondenz Februar 2012

576 K

Bambusstudien

Bamboo FAO.pdf

3.55 M

Bamboo Biodiversity.pdf

2.80 M

Bambu - uma alternativa em biocombustivel.pdf

http://www.unbciencia.unb.br/index.php?option=com_content&view=article&id=374:bambu-uma-nova-forma-de-fabricar-carvao-vegetal&catid=41:florestal

94 K

Die ökologische, antibakterizide und wirtschaftliche Bambusfaser für Gewebe- und Textilien–Herstellung

OEkologische Bambusfaser Gewebe Textilien.pdf

Die ökologische, antibakterizide und wirtschaftliche Bambusfaser für Gewebe- und Textilien – Herstellung

486 K

Bambus und die negative Auswirkung von Glyphosat - Glifosatos no bambu

Bambus und die negative Auswirkung von Pestiziden.pdf

Bambus und die negative Auswirkung von Glyphosat - Glifosatos no bambu

53 K

PDC – PERMACULTURE DESIGN COURSE

PDC – PERMACULTURE DESIGN COURSE A Permacultura também é uma rede de grupos e de pessoas que difundem os princípios éticos e as soluções de design através do manejo da terra e da natureza. Sendo assim, a grande maioria das pessoas envolvidas nessa rede realiza um Curso de Design em Permacultura (PDC) que tem como objetivo formar permacultores com entendimento aprofundado da metodologia permacultural. O PDC é um curso ministrado em diversos institutos e países e deve estar de acordo, tanto em conteúdo quanto em carga horária mínima, com um programa oficial estabelecido por Bill Mollison e David Holmgren, sendo seu certificado reconhecido por institutos e universidades do Brasil e do mundo. O Instituto ÇaraKura organiza cursos, vivências e oficinas de Permacultura desde 2005, e o Curso de Design em Permacultura (“PDÇara”) tem a peculiaridade de desenvolver suas metodologias baseando-se em atividades práticas, com ênfase nos diversos sistemas permaculturais já desenvolvidos na propriedade há aproximadamente 30 anos. O curso tem uma proposta de imersão no local e ao final os participantes devem elaborar o planejamento permacultural de uma determinada área ou propriedade. Clique aqui para ver Cartaz de Divulgação Facilitadores Andrea de Oliveira, Percy Ney Silva, Sumara Lisboa, Fábio Macedo, Márcio Mortari, Arthur Nanni e Convidados Especiais.



Meio Ambiente por Inteiro- Bambu e sustentabilidade





Bamboo Architect





Bamboo art





Bamboo furniture





The Bamboo Factory





Bamboo working





Bamboo working in Japan - in a bamboo factory





Der Bambus und Parkettherstellung





Bamboo Crosscut machine





Bamboo CHAIN SPLITTER





Bamboo toothpick machine





Asociación de Artesanos del Quindío - Ecoart - Arte con Hoja Caulinar